Talvez você já tenha reparado que um grande número de histórias segue um determinado padrão. Desde os contos da antiguidade, em vários povos, a figura do herói sempre foi evocada para demonstrar a capacidade do ser humano de se transformar e ir além dos seus limites.

Geralmente o herói ainda nem é visto (ou se vê) como herói. Ele é uma pessoa simples, incomodada, ou não com a vida atual e que, diante de um acaso do universo, é levado ao contato com algo exterior a sua vida até que, quando se percebe, está encarando suas dificuldades e lutando pela sobrevivência ou uma causa maior.

Capa do livro O Poder do Mito, de Joseph Campbell

Capa do livro O Poder do Mito, de Joseph Campbell

Quem compilou estas ideias foi Joseph Campbell, estudioso de mitologia e religião, que em suas viagens coletando histórias, rumores e mitos, reuniu suas descobertas em um livro, chamado O Herói de Mil Faces. Uma famosa entrevista dele, também gerou um outro livro de que gosto muito, O Poder do Mito, uma compilação de sua conversa com o jornalista Bill Moyers.

Momento Nerd: para se ter ideia da importância de Campbell sobre o tema, ele foi procurado por George Lucas, isso mesmo, Tio Lucas, para lhe auxiliar no desenvolvimento de um projeto para o cinema, chamado Star Wars, onde ele tinha um personagem Luke Starkiller Skywalker, e queria que ele seguisse os preceitos da Jornada do Herói.

O ciclo da Jornada do Herói

O ciclo da Jornada do Herói

Sempre me atraiu, além do estudo da história, a nossa busca por compreender por que agimos como agimos, os ritos de passagem, as figuras poderosas e míticas. Hoje se fala muito sobre storytelling e da habilidade de se contar boas histórias para a geração de conteúdo em comunicação e publicidade. Para os aventureiros em literatura, também é um prato cheio sobre esse padrão, que pode lhe auxiliar na criação de narrativas seguindo o desenvolvimento de um personagem.

Em uma exposição recente chamada Do Que é Feito um Herói (What Makes a Hero?), em um dos eventos derivados do TED (um dos melhores eventos de cultura que já vi #recomendo), o educador Matthew Winkler, com a ótima animação por Kirill Yeretsky, conseguiu demonstrar, que Frodo, Harry Potter e Katniss Everdeen tem em comum com os heróis míticos.

De forma simples, Winkler apresenta como os conceitos da Jornada do Herói se organizam de forma simples, em um ciclo – com em um relógio, onde cada hora representa um estágio na evolução do personagem, onde vamos do nosso mundo ordinário, passamos por um ambiente especial, para retornar transformados por isso. O educador ainda aproveita para demonstrar que não apenas em histórias e contos se aplica a Jornada do Herói, mas em nossas vidas também. Confira abaixo a apresentação, em inglês:

Se  quiser acompanhar mais sobre Joseph Campbell, veja essa reportagem feita sobre o estudiso que acompanha do desenvolvimento de suas pesquisas:

Joseph Campbell: The Power of Myth from DERTV on Vimeo.

Depois de tanto jogar RPG por anos, sempre tive vontade de criar minhas próprias histórias. Acho que todos que tivemos contato com tantas aventuras também passam por isso. Agora, fica difícil ler um livro ou assistir um filme sem lembrar este padrão na evolução dos personagens, pela ótica de Campbell.

E você, ficou empolgado para escrever? Quais outros filmes e livros você identifica que se encaixam nessa narrativa?