Marvel consegue trazer um dos melhores filmes até agora e mostra que a fase 2 nos cinemas tem muito a acrescentar

Depois de um longo e tenebroso inverno estou de volta aos trabalhos e agora para falar de um dos melhores filmes da Marvel até o momento, Capitão América 2 – O Soldado Invernal. Confesso que quando anunciaram uma continuação (o que era inevitável) torci um pouco o nariz. O primeiro filme tinha alguns problemas e um deles era a falta de curvas dramáticas no filme. O filme era ruim? Não, mas estava longe de ser ótimo. Mas dessa vez, os diretores Joe e Anthony Russo conseguiram superar as expectativas.

Capitao-America-Soldado-Invernal-w640Na continuação, o pano de fundo é a vigilância e a guerra ao terror. Não por acaso, ao longo da sessão você vai achar que está vendo um filme sobre conspirações, segredos do governo entre outras coisas. E é exatamente isso que o filme é. Após voltar ao mundo atual, o Capitão América trabalha para a S.H.I.E.L.D e passada uma missão de resgate, o Sentinela da Liberdade confronta-se como uma realidade inesperada que muda a vida de muita gente no filme. Diferente do primeiro, a continuação acerta em cheio nas curvas dramáticas. Você tem ação, aparições, explicações e claro uma dose de humor, tudo na medida certa. Além é claro da aparição do vilão que nome ao título do filme.

Talvez, uma das melhores coisas que o Homem de Ferro 3 tenha feito foi fazer os executivos da Marvel aprenderem com os erros. O roteiro estava pronto e bem amarrado no arco Extremis (se não sabe do que eu estou falando, clique aqui), mas o roteirista fez questão de misturar tudo e o resultado foi aquele que a gente já viu. Porém, dessa vez foi diferente. Em 2005, o arco O Soldado Invernal foi apresentado mostrando um superassassino agindo ao longo dos anos e aniquilando alguns políticos e interesses soviéticos. A origem do Soldado Invernal é bem fiel aos quadrinhos e o modo como ele foi inserido na história foi muito bem adaptado. Sem pressa e atualizando o que foi mostrado nos quadrinhos.

Capitao-America-2-20fev2014-02-w640

As apresentações do Soldado Invernal e do Falcão não deixam a desejar. Não vou aqui comentar quem se esconde por trás da máscara do soldado, mas quem lê os quadrinhos sabe muito bem. O embate do vilão contra o Capitão América já vale o ingresso. E a inclusão do Falcão da um toque do humor e uma boa dose de ação. A adição deste personagem para o contexto do filme também foi bem orquestrada. A única coisa que me incomodou um pouco ao longo da continuação foi a utilização dos “poderes” de Steve Rogers, em alguns pontos achei um pouco exagerado, uma vez que o Capitão sai quase sem um arranhão, entretanto isso não afeta em nada o bom andamento do filme.

Uma mudança que caiu muito bem, a meu ver, foi no uniforme. A nova versão é mais adaptada para alguém que está fazendo missões secretas e não uma bandeira ambulante como no filme dos Vingadores.

captain_america_the_winter_soldier_2014-wide-w640

Além disso, a Marvel já começou a pincelar as suas ideias para a fase 3 nos cinemas. Em uma cena um dos personagens menciona a existência de Stephen Strange, ou melhor, dizendo Doutor Estranho. O filme também menciona os acontecimentos pós Vingadores e você vê o quão os roteiristas e executivos estão engajados e criar um universo bem estruturado. Tudo isso faz com que a Marvel tenha um bom filme consiga alavancar ainda mais um dos seus personagens chave. O que antes, me parecia, ficar tudo nas mãos do Homem de Ferro.

E para fechar, se tratando de Marvel não perca a cena pós-créditos que terá ligação direta com Vingadores 2 – A Era de Ultron. Há também outra cena após todo o crédito do filme, mas não chega a ser nada demais.

avengers-age-of-ultron-w640